Loading...

Luta pela conquista do plano de carreira dos Proficionais de Saúde 10/03/2010

1,063 views

Loading...

Loading...

Transcript

The interactive transcript could not be loaded.

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Published on Jun 1, 2010

Movimentação do SindSaúde e Profissionais da saúde no Paço Municipal Goiânia 10/03/2010

Na quarta-feira, dia 10 de março, o Sindsaúde/GO -- cumprindo deliberação de Assembléia dos(as) trabalhadores(as) da Saúde do município do dia 02 de março -- esteve no Paço Municipal com o objetivo de ser recebido pelo prefeito de Goiânia, junto com as demais entidades da área da Saúde do município. Soego (odontólogos); Conselhos Regionais de Odontologia (CRO-GO) e Serviço Social (CRESS-GO); Sindicato dos Enfermeiros no Estado de Goiás (Sieg); Sindicato dos Técnicos e Auxiliares em Odontologia de Goiás (Sintasb-GO) e Associação dos Auxiliares e Técnicos em Odontologia em Goiás (AATO-GO) -- acompanhados de centenas de servidores(as) -- lotaram o saguão do Paço e o auditório do 6º andar, na expectativa de conversar com Íris Rezende sobre a proposta de Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) dos servidores da Saúde.

A audiência -- embora solicitada oficialmente pelo Sindsaúde/GO -- não ocorreu. As entidades foram então recebidas pelo chefe de gabinete do prefeito, que conversou com o deputado Estadual Mauro Rubem (PT-GO), e se comprometeu em agilizar a audiência com Íris.

Elaborada por uma comissão paritária que integrou representantes dos servidores(as) -- Sindsaúde/GO, Soego e Sieg (enfermeiros) -- e dos gestores da atual administração, a proposta do PCCV resultou em 38 artigos, além dos anexos. "Sem dúvida nenhuma, essa proposta de plano é um avanço para os(as) servidor(as) da saúde do município, que convivem com um defasagem salarial que já dura 14 anos", pontuou a presidenta do Sindsaúde-GO, Maria de Fátima Veloso Cunha.

Para as entidades, no entanto, a proposta -- embora seja um avanço em vários aspectos -- pode avançar ainda mais, com a negociação de três pontos que ainda estão pendentes. "A proposta que será entregue ao prefeito contém o que foi consenso na comissão. Existem três questões que -- conforme acordo feito por nós no início dos trabalhos -- devem ser levadas diretamente ao prefeito", informou a sindicalista.

Universalidade
Ausente na proposta oficial do PCCV de Goiânia, a principal reivindicação dos trabalhadores(as) é a de que o plano esteja em consonância com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde -- especialmente o princípio da Universalidade. "Como está presente nas normas que regulamentam e norteiam a concepção e o funcionamento do SUS, todos aqueles que trabalham no Sistema devem estar contemplados no plano de cargos, carreiras e vencimentos da Saúde. Isso significa que várias categorias que neste momento, segundo a proposta, estão fora do plano, devem ser incorporadas. É o caso dos(as) assistentes sociais, musicoterapeutas, arteterapeutas, educadores físicos, agentes de saúde e endemias, auxiliares, técnicos administrativos, apoios... enfim, todos os que trabalham na Saúde", explicou Fátima.

Outros dois pontos, igualmente importantes, são a equiparação salarial com o Estado -- baseado no princípio da Unicidade do SUS -- e a proporcionalidade por níveis de escolaridade. "Este último ponto também já é aplicado pelo Estado, que estabelece que o vencimento do assistente corresponda a 65% do analista e o do auxiliar a 65% do assistente. Isso é importante para que, com o passar do tempo, não haja disparidade entre os vencimentos".

RESPOSTA -- Segundo Fátima, a concentração no Paço foi um bom termômetro para se avaliar o índice de mobilização da categoria. "Estamos esperando um aceno positivo do Executivo para as nossas reivindicações, já que desde o mês de janeiro tentamos agendar -- via secretário de Saúde e o vice-prefeito -- esta audiência com o prefeito. Além do que foi consensuado na proposta -- e do que não foi consensuado -- há outros itens de interesse dos trabalhadores que devem ser esclarecidos", considerou. O Sindsaúde/GO aguarda retorno do município até o dia 18 de março, quando servidores do Estado e dos municípios realizarão Assembléia Geral, às 8h30 da manhã, no Auditório Costa Lima (Assemb. Legislativa) para discutir -- entre outros pontos -- os Planos de Cargos, Carreiras e Salários (Estado, Goiânia e demais municípios), reposição da Database e Piso Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias.

Loading...

When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up next


to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...