Upload

Loading...

Caso Amarildo

713 views

Loading...

Loading...

Transcript

The interactive transcript could not be loaded.

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Published on Aug 9, 2013

Polícia volta à Rocinha para ouvir testemunhas no caso de Amarildo
Ajudante de pedreiro está desaparecido desde 14 de julho.
Rivaldo Barbosa ouviu 14 policiais da UPP da Rocinha na segunda (5).
O titular da Divisão de Homicídios (DH), delegado Rivaldo Barbosa, chegou à Favela da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio, no início da tarde desta terça-feira (6), de acordo com informações da assessoria da Polícia Civil. O objetivo foi refazer os últimos passos do ajudante de pedreiro Amarildo baseado nos depoimentos recolhidos. A DH ouve ainda nesta terça mais quatro testemunhas, entre elas policias militares, que possam ajudar na localização de Amarildo, que desapareceu no dia 14 de julho.
O delegado Rivaldo Barbosa não descarta fazer uma reconstituição do caso na favela da Rocinha. Na segunda-feira, ele ouviu 14 policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha. Amarildo não foi mais visto depois de ser abordado por policiais na comunidade e prestar depoimento na UPP.
A DH intimou o policial militar Juliano da Silva Guimarães a prestar depoimento após a denúncia feita pelo PM, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha. Guimarães, segundo a Polícia Civil, teria dito que um tio dele, motorista da Comlurb, foi obrigado por traficantes a transportar um corpo ao lixão do Caju, na Zona Portuária do Rio. A Polícia Civil informou que o PM será ouvido, no entanto, não há informação de data e horário.
O advogado da família do pedreiro, João Tancredo, disse na segunda-feira (5), que ia entrar com uma ação de justificação de morte presumida, já que os parentes não acreditam mais que Amarildo esteja vivo. Com a declaração de morte, a família entrará com uma ação indenizatória contra do estado.
Perícia na UPP
Na manhã de sábado (3), agentes e o delegado da DH ouviram depoimentos de testemunhas e fizeram uma perícia na sede da UPP na comunidade. Peritos usaram luminol -- sustância química que permite encontrar vestígios de sangue, mesmo que o local tenha sido limpo -- na sede da UPP. No entanto, o resultado do exame não foi divulgado.
GPS e câmeras desligados
Os investigadores querem saber o motivo de os aparelhos de GPS dos carros da UPP, e duas câmeras de segurança da comunidade não estarem funcionando no do desaparecimento de Amarildo. Policiais tentam encontrar imagens de câmeras de prédios e de pontos comerciais de São Conrado que possam ajudar a esclarecer o caso.

Fonte:G1

Loading...

When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up Next


Sign in to add this to Watch Later

Add to