Loading...

michael jackson billie jean

6,616,536 views

Loading...

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Uploaded on Jun 26, 2009

http://www.radiojm.pt/

https://www.facebook.com/radiojmonline/

Família estava preocupada com a morfina

O "Daily Telegraph", citando fontes não especificadas próximas da família, diz que os familiares estavam preocupados com a quantidade, crescente, de morfina que Michael Jackson estava a tomar. O Demerol, medicamente alegadamente injectado ao cantor pouco antes da morte, é um poderoso medicamento para as dores, à base de morfina.

Revelações que entroncam na polémica lançada pelas declarações, à CNN, de Brian Oxman, advogado da família Jackson. O uso de medicamentos estava a interferir com a vida dele. As lesões que sofreu ao actuar, nomeadamente a vértebra partida e a perna partida numa queda do palco, estavam a atrapalhar, argumentou.

Não quero apontar o dedo a ninguém porque quero esperar pelo relatório de toxicologia e ouvir o que o médico legista tem para dizer, mas é um facto que Michael Jackson tinha receitas para medicamentos à disposição sempre que queria, disse o advogado Brian Oxman, ao programa da CBS "The Early Show". Já tinha avisado toda a gente que isto um dia poderia acontecer, que o Michael Jackson um dia poderia acordar morto, o que é uma forma estranha de dizer as coisas...

"As pessoas que o acompanhavam permitiram-lhe ter acesso (a medicamentos). Se pensam que houve abusos no caso de Anne Nicole Smith, isso não é nada ao lado de que vimos na vida de Michael Jackson", acrescentou.

A antiga estrela e manequim da Playboy morreu em 2007, aos 39 anos, após uma "overdose" de medicamentos. Dois médicos e o advogado de Anne Nicole Smith são acusados, na Califórnia, por lhe terem dado, indevidamente, acesso a medicamentos.

"Não conheço a quantidade dos medicamentos que tomava, mas o que percebi pela família é que era significativa", acrescentou Oxman, referindo-se à morte, aos 50 anos, daquele que era conhecido como o "rei da Pop".

Resultados a exames toxicológicos fundamentais

A autópsia ao corpo de Michael Jackson foi marcada para esta sexta-feira, em Los Angeles. O corpo foi transportado de helicóptero do hospital para o instituto de Medicina Legal, mas as autoridades norte-americanas avisam que podem ser precisos vários dias para determinar, ao certo, a causa da morte do cantor.

A conclusão da autópsia, envolta já em alguma suspeita, só será conhecida após os resultados dos exames toxicológicos. Estes testes pretendem aferir se Jackson estava a tomar algum tipo de drogas, álcool ou mesmo se consumia alguma medicação prescrita legalmente.

Detectives do Departamento de Roubo e Homicídios da Polícia de Los Angeles revistaram a casa de Jacko em Holmby Hills, a pedido do chefe William Bratton. Uma operação de rotina, especificaram fontes policiais, citadas pela Agência Reuters.

Amigo "culpa" o stresse dos concertos

A morte "do rei da Pop" aconteceu quando o cantor treinava intensamente para o regresso aos palcos, este Verão, em Londres, com 50 concertos, o primeiro a 13 de Julho.

No fim de Maio, os organizadores anunciaram que o lançamento da série de concertos foi adiado alguns dias em Julho, assegurando contudo que esse facto não tinha "nada a ver" com o estado de saúde da estrela. No entanto

"Penso que o stress, a ansiedade e a paixão que mostrava, querendo fazer do seu regresso um êxito, o venceram (...) Talvez o stress o tenha morto, é o que penso", disse Uri Geller. Em declarações à BBC, o animador israelita, famoso pela sua aparente facilidade em torcer colheres perante as câmaras, utilizando apenas a força da mente, disse estar destruído pela morte de Jackson.

"Tento ainda guardar uma fraca esperança de que não seja verdade. É demasiado irreal para mim assimilar que Michael já não está connosco", acrescentou Uri Geller, que teve Jackson como testemunha quando renovou os votos de casamento, em 2001.

Morte não surpreende antigo porta-voz

Um antigo porta-voz de Jackson, Michael Levine, afirmou "não estar surpreendido" pela morte do cantor. "Devo confessar que não fiquei surpreendido pela notícia trágica de hoje", indicou numa mensagem de correio electrónico.

"O Michael seguiu um caminho incrivelmente difícil e muitas vezes de autodestruição. O seu talento era indiscutível mas o seu desconforto relativamente às regras deste Mundo também o era. Um ser humano não pode suportar tal nível de stress", acrescentou.

A morte de Jackson, adiante o jornal "Los Angels Times", vai ser investigada por uma brigada de homicídios. Aparentemente, um procedimento comum, quando se trata da morte de figuras públicas.Jornal de noticias

Loading...

Advertisement
When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up next


to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...