Loading...

Capim tiririca

67,669 views

Loading...

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Published on Oct 24, 2011

A tiririca, uma das principais plantas daninhas, possui um conjunto de bulbos, rizomas e tubérculos subterrâneos, interligados em forma de corrente, de onde surgem as folhas e as hastes florais. Os tubérculos são produzidos nos rizomas e, quando brotam, uma ou mais gemas começam a crescer, produzindo novas plantas com mais tubérculos, garantindo a reprodução e a disseminação da tiririca.

A maior parte dos tubérculos (80%) é formada nos primeiros 20 centímetros de profundidade do solo e pode ficar dormente por longos períodos de tempo, sendo que quanto maior for a profundidade em que estiverem os tubérculos, maior será o seu tempo de sobrevivência no solo.

OCORRÊNCIA

A tiririca está presente no mundo todo, principalmente em países tropicais e subtropicais, onde encontra condições ideais para o seu desenvolvimento.

DISSEMINAÇÃO

A tiririca se dissemina através de:

aplicação de matéria orgânica contaminada;
máquinas e implementos agrícolas com tubérculos aderidos.
mudas contaminadas;
touceiras de grama;
enxurradas, sulcos e canais de irrigação.
PREJUÍZOS

A tiririca reduz a produção agrícola em 40 por cento, em média, podendo chegar a 90 por cento, no caso de hortaliças.

MANEJO INTEGRADO DA TIRIRICA

As técnicas de manejo da tiririca baseiam-se na inibição da formação de novos tubérculos e/ou da brotação destes, e podem ser: prevenção, controle e erradicação.

EVITAR A DISSEMINAÇÃO É SEMPRE O MELHOR REMÉDIO!

Prevenção: A prevenção consiste em evitar-se a introdução de plantas ou qualquer propágulo de tiririca em áreas não infestadas, exercendo-se um rígido controle de qualidade das sementes certificadas.
Controle: Esta técnica, que deve ser contínua, é composta pelas seguintes fases: diagnose do problema, avaliação da adequabilidade e seleção dos métodos disponíveis e específicos ao problema e execução do controle propriamente dito.
Método mecânico: consiste na eliminação temporária da tiririca, através do preparo do solo, da capina e de cultivo de espécies antagônicas. São necessários pelo menos dois anos de cultivos quinzenais para reduzir a população da erva daninha aos níveis satisfatórios para o manejo, e ao final do ciclo da cultura, deve-se efetuar a aplicação de herbicidas nas áreas que apresentarem plantas remanescentes de tiririca.
Método químico: é considerado um dos mais eficientes métodos de controle, embora vários herbicidas de diferentes grupos químicos tenham apresentado resultados insatisfatórios no controle da planta, devido principalmente à baixa taxa de absorção e translocação dos produtos. Os herbicidas pré-emergência devem ser seletivos para as culturas, como por exemplo o EPTC, o alaclor e o metolachlor. Os herbicidas de pós-emergência, como o 2,4 D; e os dessecantes, como o Glyphosate; devem ser aplicados nas primeiras semanas após a emergência da tiririca.
Erradicação: Esta técnica visa à eliminação de todas as partes da plantas daninha da área, incluindo a destruição de sementes, rizomas, raízes tuberosas e tubérculos. Utiliza-se esta técnica em pequenas áreas.
porto são paulo brasil japão
e-mail...: reyjuniorvideo@gmail.com
Sorocaba e região

  • Category

  • License

    • Standard YouTube License

Loading...

Advertisement
When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up next


to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...