Loading...

POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 08 - FANTASTICO - GLOBO

146,171 views

Loading...

Loading...

Transcript

The interactive transcript could not be loaded.

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Published on Nov 4, 2006

http://publicadosbrasil.blogspot.com

A CRATERA DE UM VULCÃO AVITO - 08.10.2006
O Fantástico agora convida você para fazer uma viagem no tempo: vamos conhecer um lugar igualzinho ao nosso planeta de 4,5 milhões de anos atrás.

O Fantástico agora convida você para fazer uma viagem no tempo: vamos conhecer um lugar igualzinho ao nosso planeta de 4,5 milhões de anos atrás.

África e Brasil. Duas terras separadas por um oceano gigante, o Atlântico. Dois lugares distantes, mas com tanta coisa em comum. Nossos povos, nossa música e as tradições. África e Brasil têm ligações profundas, bem mais antigas do que muita gente imagina.

Você já notou que, se recortarmos os mapas, África e Brasil se encaixam perfeitamente, como se fossem irmãos separados pelo tempo? Qualquer semelhança não é mera coincidência.

A formação do nosso planeta é o tema do capítulo de hoje. Domingo passado, Poeira das Estrelas contou a história do nascimento do sol, a estrela que dá luz, calor e energia para todos os seres vivos.

Cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, ao mesmo tempo em que surgiu o sol, formaram-se os planetas do nosso sistema solar, como a Terra. Mas a Terra naquele tempo era bem diferente do que estamos acostumados a ver hoje:

Terra vista do espaço, seres vivos, água, continentes, um planeta azul, 70% coberto de água, 30% de terra firme distribuída em continentes definidos e milhões de espécies vivas.

Muito tempo atrás, o mundo era o próprio inferno. Um planeta ainda em formação. A superfície era toda líquida, não de água, mas de rocha incandescente e atmosfera de gases sufocantes.




Partes da terra permanecem desse jeito até hoje: são os vulcões. Vulcões ativos nos remetem diretamente à infância da Terra. É como fazer uma viagem ao passado, mais precisamente 4,5 bilhões de anos atrás, quando a Terra, os planetas e o sol tinham acabado de nascer.

O vulcão Kilauea fica na ilha que dá nome ao arquipélago do Havaí. Nesta parte da Terra, existem tantos vulcões que a região é chamada de Círculo de Fogo do Pacífico. Mas nenhum é tão ativo quanto o Kilauea. Ele entrou em erupção em janeiro de 1983. E não parou mais.

Se pudéssemos viajar no tempo e ver como era a Terra no começo, as imagens não seriam muito diferentes dessas, que mostram os períodos de atividade mais intensa do Kilauea.

No início, era o caos. A Terra era uma bola incandescente de metais e rochas liquidas. A atmosfera, uma massa de gás ultra-aquecida. Era como se mergulhássemos dentro da cratera de um vulcão. Durante os primeiros 700 milhões de anos, a Terra era assim, como um vulcão gigante. A especialidade de um vulcão é cuspir lava.

A lava é pedra líquida. Ela é ejetada das profundezas da terra. Mais ou menos 100 quilômetros de profundidade. Isso não é nada quando comparado com o centro da Terra, que fica a 6,5 mil quilômetros de profundidade.

Sobrevoando o Kilauea, dá pra ver nitidamente como a lava expelida pelo vulcão se resfria em contato com a água do mar, se solidifica e faz aumentar o tamanho da ilha.

No nosso planeta é assim. Em lugares onde não há nada além de mar aberto, pode surgir uma ilha, desde que seja uma região de atividade vulcânica.

Aos poucos, a lava se resfria e fica sólida. Foi isso o que aconteceu com a Terra em sua infância. Só que para a superfície da Terra ficar sólida, se passaram 600 milhões de anos.

...

Loading...

Advertisement
to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...