Loading...

"Não se pode confundir justiça com vingança"

25,885 views

Loading...

Loading...

Transcript

The interactive transcript could not be loaded.

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Published on Feb 4, 2014

"Alguns episódios recentes no Rio de Janeiro são muito preocupantes. E a Comissão de Direitos Humanos - e qualquer um que fale sobre direitos humanos - está sendo muito questionada. Não foram poucos os momentos que me perguntarem "E se fizerem mal a sua filha ou seu filho?". Como pai, eu e qualquer outro, é evidente que eu posso perder a razão, agir de forma violenta. Mas isso nada se confunde com o papel do Estado, o papel do poder. Para isso existe o Estado e a lei. Nesse momento, o Rio de Janeiro vai precisar de um grande debate de bom senso, de equilíbrio.

Nós tivemos o caso da policial Alda Castilho, assassinada brutalmente no Complexo do Alemão. Ela, que tinha 20 e poucos anos, era uma estudante de psicologia e cheia de sonhos, e teve a vida ceifada de forma brutal durante uma ação covarde e inaceitável de um grupo armado. Falei com sua mãe, Dona Maria, hoje, pela Comissão de Direitos Humanos. Infelizmente, a Comissão foi o único órgão que procurou a família da vítima. Conversei bastante com a Dona Maria e ela me disse que a maior preocupação dela é o equilíbrio emocional da família. Sei que não é fácil retornar a sua vida depois de ser atingido de forma tão violenta com alguém que você ama tanto. É preciso que o poder público dê cobertura, assistência não só material, mas afetiva e psicológica.

Ao mesmo tempo tivemos a noticia de um jovem, que supostamente cometeu um assalto - e ele tem, inclusive, passagens pela policia. É um jovem negro e pobre, assim como tantos, que certamente não teve acesso a educação publica de qualidade e nem a uma moradia digna, o que não justifica quaisquer das suas atitudes, ele tem um nível de responsabilidade sobre isso. O ato de pegar este jovem, de arrancar um pedaço da sua orelha, arrancar-lhe a roupa, colocá-lo em um poste com um cadeado de bicicleta, em uma imagem que relembra tempos de nossa escravidão é o limite da barbárie. Evidente não sabemos mais de onde parte a maior violência. É neste momento que venho reafirmar a defesa de uma cultura de direitos para todos. Desde o policial que precisa de mais condição de trabalho, a qualquer um destes jovens que sobrou de uma sociedade de mercado, que nunca teve o direito de ir e vir, de educação. Não é confundindo justiça com vingança que vamos construir uma democracia. Estes dois exemplos devem ser debatidos exaustivamente nas escolas públicas e privadas, no parlamento, nas igrejas, para dizer qual modelo de sociedade a gente quer", afirmou Marcelo Freixo nesta terça-feira (04/02), no plenário da Alerj.

Loading...

When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up next


to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...