Upload

Loading...

Lírica galego-portuguesa - Ai flores, ai flores do verde pinho

68,036 views

Loading...

Loading...

Loading...

Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.
Uploaded on Feb 2, 2011

Ai flores, ai flores do verde pinho,
se sabedes novas do meu amigo?
Ai Deus, e u é?

Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do qui mi há jurado?
Ai Deus, e u é?

Vós me perguntardes polo voss'amigo,
e eu bem vos digo que é sã'e vivo.
Ai Deus, e u é?

Vós me perguntardes polo voss'amado,
e eu bem vos digo que é viv'e são.
Ai Deus, e u é?

E eu bem vos digo que é sã'e vivo
e seera vosc'ant'o prazo saído.
Ai Deus, e u é?

E eu bem vos digo que é viv' e são
e seera vosc'ant'o prazo passado
Ai Deus, e u é?

Dom Denis [El-rei ~] [= Tav 25]

Biografia. Dom Denis foi rei de Portugal durante quase meio século: desde o falecimento de seu pai o rei Afonso III em 1279 até a sua morte em 1325. Nascera em 1261, de modo que começou a reinar com apenas 18 anos. Era filho de Afonso III o Bolonhês e de Beatriz de Guillén (esta, filha ilegítima do rei Afonso X o Sábio). Casou com Isabel de Aragão (depois canonizada pela Igreja como santa e agora conhecida como Santa Isabel de Portugal, cuja festa se celebra no 4 de Julho), filha do rei Pedro III de Aragão e de Constança Stauffen (que por sua vez era neta do rei Frederico II da Sicília).

O reinado de Dom Denis foi importante em vários campos da cultura (fundação da Universidade) e da literatura (promoção da prosa documental e histórica e das traduções); com respeito à poesia trovadoresca o seu papel foi decisivo, não só como autor mas também, e sobretudo, como impulsor.

Como autor é o mais fecundo de todos os nossos trovadores, com um total de 137 composições, segundo a recolha de cantigas que nos foi conservada. Esse primeiro posto corresponde-lhe com certeza se nos referirmos apenas à poesia profana, mas talvez devamos mantê-lo mesmo se fizermos entrar no cômputo as cantigas religiosas, visto que, apesar de que se atribuem de modo genérico à iniciativa do seu avô o rei Afonso X o Sábio, é difícil determinar em que medida foi efetiva a autoria pessoal deste rei na maioria das composições.

Como protetor e impulsor do movimento trovadoresco Dom Denis foi figura determinante no meio século aproximado que durou o seu reinado. As suas relações de parentesco com cortes reais que mantinham uma tradição de apoio à cultura trovadoresca (Leão e Castela, Aragão, Sicília, e especialmente a própria corte paterna) explica bem que, da maneira mais natural, prosseguindo a ação do pai, a corte do rei Dom Denis viesse a converter-se no mais importante centro de atividade trovadoresca depois da morte, em 1284, de Afonso X. Dom Denis deu acolhida a um grande número de trovadores, e da sua própria descendência saíram dois: os seus filhos bastardos Dom Afonso Sanches e Dom Pedro, conde de Barcelos. Com razão um dos últimos trovadores, Joám, "jograr, morador em Leom", lamentava a morte de Dom Denis num pranto (cant. 1119, «Os namorados que trovam d' amor»), provavelmente escrito tempo depois, em que lembra com saudade o seu estímulo aos trovadores e a sua generosidade com os jograis, e liga o seu falecimento com a posterior decadência do nosso trovadorismo.

Dom Denis faleceu em 7 de Janeiro de 1325, à idade de 64 anos.

Na língua ctual a forma que assume comummente o seu nome é Dinis (com -i- na sílaba inicial, átona), mas nos manuscritos trovadorescos (onde ocorre mais de 30 vezes) usa-se de maneira constante Denis (com -e- na sílaba átona: "el-rei Dom Denis"); e esta forma (que é também a habitual nos documentos da sua chancelaria) é a que se conserva habitualmente no âmbito do estudos trovadorescos como nome do rei, embora nas Cantigas de Santa Maria se documente também repetidamente a forma Dinis como nome do santo ("Sam Dinis") à par de Denis ("Sam Denis").

Obra poética: 137 cantigas (cc. 495-569 [amor], 570-621 [amigo], 1552-1561 [escárnio])

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
A voz é da cantora galega Helena de Alfonso, e esta canção foi publicada no primeiro disco do grupo «Barahunda» em 2002 , grupo formado na altura por Helena De Alfonso, Manuel Carro, MIguel Casado, Jota Martínez, Jose Luis Escribano e Jose Luis Lara, e que teve a colaboração de outras pessoas alheias ao grupo como Javier Bergia, Javier Paxariño, Quique Almendros, Jaime Muñoz, Rafa Martín, Javier Palancar, Pedro e Pablo Pascual, Marta de la Aldea, Clara Serrano e Paco Benítez.

  • Category

  • License

    • Standard YouTube License

Loading...

When autoplay is enabled, a suggested video will automatically play next.

Up next


to add this to Watch Later

Add to

Loading playlists...