Carregando...

Soneto Livre aos Sentimentos Comuns - By Decimar Biagini

195 visualizações

Carregando...

Carregando...

Transcrição

Não foi possível carregar a transcrição interativa.

Carregando...

Carregando...

É possível avaliar quando o vídeo for alugado.
Este recurso não está disponível no momento. Tente novamente mais tarde.
Publicado em 10 de nov de 2008

Lá no fundo todos nós somos iguais
Tento nesse soneto reconfortar minha alma
Buscando soluções mais naturais
No fundo, ao coração pedimos calma

Nos tornamos responsáveis eternamente pelos que conquistamos
Portanto não pedimos licença para entrar em seus corações
Muito menos para desapontá-los ou quando deles nos retiramos
No fundo, tentamos enfrentar nossos conflitos e indagações

O que eu sinto aqui dentro tu também poderás sentir
De repente não sou metade do que já fui
Espero que tu resolvas teus problemas antes de dormir

Eu tentei resolver os meus, indo beber no bar Rapanui
Arrumei outra dor, passageira, embora a cabeça pareça explodir
Se tu souberes de um engov existencial, digas quem o distribui

Decimar Biagini (Relatos de um final de semana)

Carregando...

Quando a reprodução automática é ativada, um vídeo sugerido será executado automaticamente em seguida.

Próximo


para adicionar este vídeo à playlist "Assistir mais tarde"

Adicionar a

Carregando playlists...