Upload

Loading icon Loading...

This video is unavailable.

Vandalismo, vandalismo, vandalismo...

Sign in to YouTube

Sign in with your Google Account (YouTube, Google+, Gmail, Orkut, Picasa, or Chrome) to like MarcosJacksonCarvalh's video.

Sign in to YouTube

Sign in with your Google Account (YouTube, Google+, Gmail, Orkut, Picasa, or Chrome) to dislike MarcosJacksonCarvalh's video.

Sign in to YouTube

Sign in with your Google Account (YouTube, Google+, Gmail, Orkut, Picasa, or Chrome) to add MarcosJacksonCarvalh's video to your playlist.

Published on Aug 24, 2013

As palavras mais reproduzidas pelos meios de comunicação de massa nesses tempos de manifestações pelo Brasil. Um exemplo de objetividade, imparcialidade, verdade, precisão e ética jornalísticas.

DECLARAÇÃO DE BORDÉUS (Declaração de Princípios para a Conduta dos Jornalistas, adotada pelo 2° Congresso Mundial da Federação Internacional de Jornalistas)

Esta Declaração internacional é proclamada como um padrão de conduta profissional para jornalistas empenhados em recolher, transmitir, divulgar e comentar notícias e informação durante a descrição de acontecimentos.

Art. 1º O respeito pela verdade e pelo direito do público à verdade é o primeiro dever do jornalista.

Art. 2º Em conformidade com este dever, o jornalista defenderá em todas as circunstâncias os princípios da liberdade ao recolher e publicar com honestidade notícias, e o direito a comentar e criticar com justeza.

Art. 3º O jornalista só relatará fatos cuja origem conhece. Não suprimirá informação essencial nem falsificará documentos.

Art. 4º O jornalista só utilizará métodos leais para obter informação, fotografias e documentos.

Art. 5º O jornalista fará todos os esforços para retificar qualquer informação publicada que se provar ser prejudicial e inexata.

Art. 6º O jornalista respeitará o segredo profissional sobre a fonte das informações obtidas confidencialmente.

Art. 7º O jornalista estará ciente do perigo de promover a discriminação através dos média, e fará o possível para evitar o tratamento discriminatório baseado, entre outras coisas, na raça, sexo, orientação sexual, linguagem, religião, política ou outras opiniões, e origens nacionais ou sociais.

Art. 8º O jornalista considerará como faltas profissionais graves:

— o plágio;

— a deturpação malévola;

— a calúnia, a difamação, a injúria, as acusações sem provas;

— a aceitação de subornos de qualquer natureza em troca da publicação ou supressão de informação.

Art. 9º Os jornalistas dignos desse nome julgarão o seu dever de cumprir fielmente os princípios enunciados. De acordo com a lei geral de cada país, o jornalista reconhece em matéria profissional apenas a jurisdição dos seus pares, excluindo qualquer tipo de interferência governamental ou outra.

Loading icon Loading...

Loading icon Loading...

Loading icon Loading...

The interactive transcript could not be loaded.

Loading icon Loading...

Loading icon Loading...

Ratings have been disabled for this video.
Rating is available when the video has been rented.
This feature is not available right now. Please try again later.

Loading icon Loading...

Loading...
Working...
Sign in to add this to Watch Later

Add to